“Não é uma lua de mel, é um casamento. Meu governo é um casamento de quatro ou oito anos, ou até mais, futuramente”,

de Jair Bolsonaro, manifestando intenção
de se reeleger em 2020 e tentar novamente
depois de dois mandatos seguidos.


Ano XVIII - 21 de janeiro de 2020



Weintraub também
Além da Cultura, também no bloco da Educação, o governo de Bolsonaro já teve outro devoto de nazismo. Quando foi confirmado no lugar de Vélez Rodrigues no Ministério da Educação, Abraham Weintraub fazia um discurso contra esquerdistas para a militância de extrema-direita e repetia o próprio Hitler: “Eles são o topo das organizações financeiras; eles são os donos dos jornais; eles são os donos de grandes empresas; eles são os donos dos monopólios”. No original de Hitler, no livro Mein Kampf (Minha Luta), de 1933, “eles” eram “judeus” e o resto do texto é igual.

Contra Carlos
Gretchen anda irritada com a perseguição a que se dedica Carlos Bolsonaro a seu filho (trans) Thammy, casado e pai de um bebê. Muita gente acha que ele e Carlucho são meio parecidos. Agora, Gretchen foi à luta e disparou nas redes: “Tenho pena dele. Não pode assumir sua sexualidade por causa do pai”. Até agora, o filho do presidente não revidou.

Campanha
Nas redes sociais há uma campanha para que se assine uma petição à Mangueira para que mude seu samba-enredo, que teria uma blasfêmia contra Cristo. Tem um trecho que diz: “Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher/ Moleque pelintra no Buraco Quente/ Meu não é Jesus da Gente”. Cristão mais exaltados lembram que, nas escolas do ano passado, muitas usaram a figura de Cristo, sempre lembrando que se trata de “liberdade de expressão”.

“Maluco e trouxa”
Quando deixou a Secretaria Especial de Cultura do governo Bolsonaro depois de publicar vídeo nazista nas redes sociais, o diretor de teatro Roberto Alvim dizia que sua mágoa maior teria sido o desprezo de seu guru Olavo de Carvalho. Ele teria dito que seu doutrinado “parecia não estar bem da cabeça”. Depois, Olavo foi às redes: “Nunca chamei Alvim de nazista. Chamei de maluco e trouxa. Ele não entendeu”.

Nova expressão
Um dos mais conhecidos jornais da Europa, o francês Le Monde cunhou a expressão “Goebbolsonarista” para se referir a Roberto Alvim e ainda diz que ele não é o único personagem contravertido, para não dizer “iluminado” a ocupar cargos de alto escalão no governo de Bolsonaro. E lembra episódios com Rafael Nogueira (Biblioteca Nacional) que disse que Caetano Veloso era responsável pelo analfabetismo no Brasil e Dante Mantovani (Funarte) que acreditava que “o rock ativa drogas, sexo, aborto e satanismo”.

Ataques
Heloisa de Carvalho, filha mais velha de Olavo de Carvalho e Henry Bugalho, coautor de Meu pai, o guru do Presidente, estão sendo vítimas de ataques das redes sociais por conta das revelações contidas no livro, desde os tempos em que ela, criança, como os outros filhos, não eram matriculados em escolas. O livro está em pré-vendas nas redes sociais.

Mais um
Ao noticiar a queda de Roberto Alvim o The New York Times disse que “se trata apenas do mais recente caso, em debate mais amplo, sobre liberdade de expressão e cultura na era Bolsonaro”. Ou seja: o perigo contra a liberdade terá novos capítulos.

Intimidade à mostra
Nas recentes coleções de verão 2020 da Gucci, Burberry, Dolce & Gabbana, Tom Ford e Thierry Mugler apostaram na tendência de revelar a intimidade das mulheres ao colocar calcinhas sutiãs, corseletes e camisolas em papéis de protagonistas. Ou seja: a roupa de baixo estará em grande evidência. As consultoras dizem que a mulher está quebrando preconceitos, vencendo barreiras do recato. Resumo da ópera: sexy sem ser vulgar.

História
Filho de um médico do Albert Einstein, em São Paulo, Fábio Wajngarten teria atuado, na época do ataque em Juiz de Fora, para que Bolsonaro fosse transferido para lá. Depois, tinha livre acesso nos 17 dias em que o então candidato ficou hospitalizado para retirada da bolsa de colostomia. Em abril de 2019, assumiu a Secom, com apoio de Carlos Bolsonaro. Juntos, derrubaram o ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz. Depois, queriam derrubar o porta-voz Otávio Rego Barros. Aí, Carlucho quis voar mais alto e Wajngarten não permitiu e Carlucho afastou-se.

Escolhida
Depois da experiência desastrosa com Bolsonaro, ano passado, quando sua escolha desencadeou protestos, a Câmara de Comércio Brasil-EUA decidiu escolher a empresária Luiza Trajano, que comanda a rede de lojas Magazine Luiza, para receber o prêmio Personalidade do Ano em 2020, em Nova York.

Um e outro
Enquanto Roberto Alvim fazia uma fala de cunho nazista, na Suíça, Paulo Guedes encantava os sócios da Mont Pelerin Society, sociedade fundada no pós-guerra, que defende um regime de liberdade que Hitler havia massacrado. Mais: muita gente reconhece que muitas ideias autoritárias de Alvim são também do próprio Bolsonaro.

Varejo e indústria
O descompasso entre consumo e produção se manteve elevado, tendência que marcou 2019. Nos últimos 12 meses terminados em novembro passado, o varejo ampliado, que inclui automóveis e material de construção, comemorou vendas 3,6% maiores, enquanto a produção da indústria de transformação amargou queda de 0,3%. No acumulado do ano, a alta de vendas é de 3,8% ao passo que a indústria manufatureira andou de lado, só subiu 0,1%.

Contra agências
Enfrentando a ameaça de taxação da energia solar pela Agência Nacional de Energia Elétrica e encarar o cartel das distribuidoras/ atravessadoras, favorecido pela Agência Nacional de Petróleo, Bolsonaro assumiu “missão difícil”: enfrentar o poder as “agências reguladoras” que têm “poder legislativo” mais forte do que o Congresso. Nelas, cinco diretores têm força de lei e favorecem planos de saúde, empresas áreas, distribuidora de energia ou combustíveis sempre contra os consumidores.

Em segredo
O TSE estabeleceu o prazo de 14 de setembro para que juízes julguem todos os estimados 500 mil registros de candidatos para a eleição municipal deste ano. Fica em segredo até 16 de junho o total de recursos disponíveis para candidatos financiarem suas campanhas com o Fundo Eleitoral. O prazo foi determinado pela própria Justiça Eleitoral.

Com segurança
O deputado federal José Guimarães (PT-CE) agora só anda acompanhado por dois seguranças. Ficou com medo de reações mais duras de bolsonaristas, que já o xingaram a bordo de um avião de carreira. Era de José Guimaraes o assessor José Adalberto Vieira, preso em Congonhas, em São Paulo, escondendo US$ 100 mil na cueca e mais US$ 209 mil na mala que carregava. Ia ao encontro do chefe em Fortaleza.

Com advogada
Marcelo Odebrecht, demitido por justa causa da Odebrecht, empreiteira que presidiu durante anos, até ser preso por brigar com seu pai, Emílio Odebrecht, acaba de constituir a advogada Maria Helena Autuori para tentar fazer sua pacificação no ambiente familiar. Quer tentar de várias maneiras e aí, se não der certo, parti para processos certamente mais traumáticos.

Queria manter
Bolsonaro queria manter Roberto Alvim na Cultura argumentando que se tratava de uma infeliz coincidência e não foi Davi Alcolumbre que o convenceu a demiti-lo. Quem convenceu Bolsonaro foram os generais Augusto Heleno (GSI) e Luiz Eduardo Ramos (Governo). A propósito, Paulo Coelho publicou no Twitter: “Regina Duarte ou outro, não faz diferença – quem manda é o líder e seus filhos, Moro, Guedes, Mourão antes tentaram ter voz própria e agora não piam mais”. Depois, apagou a mensagem: decidiu não piar também.

Influência
A primeira-dama Michelle Bolsonaro teve influência na indicação da veterana Regina Duarte para assumir a Secretaria Especial de Cultura, no lugar de Roberto Alvim, demitido na semana passada. Regina e a primeira-dama atuam juntas no programa Pátria Voluntária.

Outro nome
Muitos apostam que atriz Regina Duarte só aceitaria o convite para atuar no Governo de Bolsonaro caso a Secretaria Especial de Cultura voltasse a ser um ministério, o que é difícil de acontecer. Bolsonaro já teria outro nome, de um pastor, para assumir o lugar de Roberto Alvim, caso a atriz não tope.

De volta
Depois de dois anos de descanso o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot voltou a advogar. Em seu retorno, assina uma representação que envolve a Vale e seu ex-presidente Fábio Schwartzman.

Em apoio
A ex-atriz, hoje empresária Paula Lavigne, que é esquerdista, organizadora do movimento 342 Artes e crítica de Bolsonaro, elogiou a possível ida de Regina Duarte para a Secretaria Especial de Cultura. “Ela é de direita mas não é nazista: redução de danos. Acho que na situação de desmonte total da cultura que estamos vivendo, ter Regina Duarte pode ajudar”.

“Conselheiro sábio”
Circula um vídeo nas redes sociais mostrando Roberto Alvim, ex-secretário de Cultura de Jair Bolsonaro, sendo abençoado por um pastor da igreja evangélica Bola de Neve durante um culto, em novembro passado. No vídeo, Alvim é ungido em inglês: “Você trabalha com o presidente, mas serve ao rei. Eu te faço como um Daniel na casa do Brasil. Você será um conselheiro sábio não apenas para este governo, mas também para outros governos”.

Uísque e gim
O Ministério da Agricultura analisa agora o uísque e o gim produzidos pela Backer para ver se estão contaminados com as substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol. A Backer diz que a água usada na produção do gim Lebbos e do uísque Três Lobos não é a mesma do processo de fabricação de suas cervejas.

Patrocínios bilionários
A Petrobras distribuiu, na última década, mais de R$ 1,77 bilhão em generosos patrocínios. A maior parte, R$ 1,05 bilhão, foi entregue em apenas dois anos: 2003, início oficial da crise política e dos protestos de rua e 2014, auge do esquema de corrupção revelado pela Lava Jato e no ano de reeleição de Dilma Rousseff. Na mesma década foram realizados 76% dos gastos. Desde 2009, foram 1.890 contratos de patrocínio. O recorde é de 2013 com R$ 505 bilhões.

“Fundão”
Bolsonaro postou foto no Twitter ao lado do deputado Hélio Lopes, o Hélio Negão e escreveu: “Esse foi o FUNDÃO que me elegeu em 2018 e fez do deputado Hélio Lopes o campeão de votos do Rio. Para futuras eleições, apenas trocaremos a jarra por outra de cor verde, com investimento de R$ 9,90”.

Ficou moderninho
Em despedida ao seu personagem Alberto em Bom Sucesso (a novela termina sexta-feira) Antônio Fagundes, rendeu-se as redes sociais. Avesso à tecnologia o veterano abriu uma conta no Instagram e em seu primeiro post escreveu: “Você deve estar estranhando eu aqui no Instagram, ficando moderninho. Já fiz um podcast, agora estou no Instagram. Quero saber coisas de vocês e quero que vocês saibam coisas minhas, às quais talvez não tenham tido acesso. Vamos falar de um monte de coisas, de livro, de teatro, de cozinha, pintura, passeios, viagens”.

Encontro bilaterais
O Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça que começa hoje e vai até sexta-feira (24), não contará com a presença de Jair Bolsonaro. Paulo Guedes, ministro da Economia, vai ser uma espécie de representante do Chefe do Governo. Quem também estará por lá é o governador de São Paulo João Doria, que terá 34 encontros bilaterais, para captação de investimentos.

Novo programa
Fora da TV como apresentadora, há alguns anos, Adriane Galisteu acaba de mergulhar nos programas exclusivos para redes sociais. Em parceria com o Facebook no Brasil lançou no domingo (19) o programa Watch, que é focado para o universo feminino, abordando temas relacionados a autoestima e amor próprio e que também terá uma mesa redonda com Adriane e convidadas especiais. No programa de largada, contou com Luiza Brunet, a promotora de justiça Gabriela Manssur e a jornalista Izabella Camargo.

Viajando
A presidente o PT, Gleisi Hoffmann não se conformou com uma nota publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, na qual Lula foi obrigado a baixar o tom por não ter encontrado respaldo na sociedade contra Jair Bolsonaro. Ela reagiu: “Lula foi, e continua sendo, a maior liderança político popular do país (…). Ele deu voz à oposição e polarizou o debate pelo lado do povo”.

Sem nada
O presidente Jair Bolsonaro se reuniu com os seus advogados para discutir sua saída e de outros correligionários do PSL. O antigo partido do presidente não se opõe a saída e garante que até não serão prejudicados politicamente (perdendo seus mandatos). Só que não levarão nenhum tostão do Fundo Partidário. Há quem garanta que o presidente está disposto a aceitar: afinal de contas, foi eleito pouca verba na campanha presidencial de 2018.

OLHO MÁGICO

Fotos: Divulgação

Menos transparência
Todos os prêmios que precedem o Oscar, que acontecerá dia 9 de fevereiro, servem como uma espécie de termômetro para a grande premiação. No domingo (19) foi a vez da 26ª edição do SAG Awards que aconteceu no Shrine Auditorium, Los Angeles, Califórnia. Das três premiações que já aconteceram neste ano Joaquin Phoenix levou a estatueta como melhor ator, assim como Renée Zellweger na categoria de melhor atriz e Laura Dern como melhor atriz coadjuvante. Jennifer Aniston levou o prêmio como melhor atriz em série dramática. No tapete vermelho entre convidadas e concorrentes, o que prevaleceu foram os decotes e as fendas, deixando a transparência para trás, entre tantas, da terceira foto à esquerda para direita, Catherine Zeta-Jones , Scarlett Johansson e Charlize Theron.

Edições Anteriores:  
__________________________________________________________
 IN & OUT

 

;-) Verão: abacaxi grelhado e creme de iogurte



:-( Verão: laranja grelhada e caramelizada 

ONE CARTOON


Os trabalhos dos mais criativos cartunistas selecionados na web.




 

Esta coluna é fechada de
segunda a sexta às 16:00

(exceto feriados)


 


 © Copyrights: É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização
 do titular desta coluna eletrônica. Entre em contato com o autor pelo email gibaum@gibaum.com.br

s